Notícias

No último dia 04 de julho, Motirõ e F. Amaro, desenvolveram em parceria com o Assentamento Nhundiaquara (Gleba Pantanal) em Morretes - PR, a 4º oficina de reaproveitamento de resíduos vegetais e animais. Foram vários os objetivos da oficina, dentre entres, está o trabalho com técnicas de compostagem e vermicomposto (húmus), e adubos naturais, objetivando a produção de mudas para o aumento da quantidade e qualidade dos insumos utilizados na implantação e manejo das agroflorestas, adquiridos através do reaproveitamento dos resíduos da própria unidade produtiva. A agrofloresta é um sistema de produção que por si só mantém a harmonia do homem com a natureza. A utilização dos adubos naturais, neste sistema, contribui na produção e fortalecimento das mudas nos viveiros, bem como na correção do solo. “As minhocas tem condições de revolucionar os conceitos atuais da agricultura brasileira sobre as técnicas de manejo do solo, funcionando como adubo, arado, recondicionando terras empobrecidas pelo uso continuado de agrotóxico e de mecanização…
Ocorreram nas manhãs dos dias 11 e 25 de agosto a oficina de reaproveitamentos de resíduos vegetais e animais. Durante as atividades os participantes puderam conhecer varias técnicas e manejo de como lidar com os mais diferentes resíduos. Para assim utilizar as melhores técnicas na produção do adubo de qualidade. “Dominar as técnicas de fazer compostagem, manejar os resíduos de acordo com cada realidade é sempre um desafio. No entanto, a junção da prática, o equilíbrio do material seco, (folhas de árvores, serragens, maravalhas, etc), o material verde, (cascas de frutas e verduras, podas de jardins). São resíduos que com o conhecimento de como intercalar para que ocorra a umidade ideias e o aquecimento necessário para ajudar na decomposição, são fatores importantes", diz Francisco Amaro.  Segundo Neri pescador artesanal “a oficina serviu para apreender novas técnicas de como trabalhar os resíduos, pois cada resíduo exige conhecimento e como direcionar da melhor maneira”. A parceria da Cooperativa Motirõ com a F. Amaro é uma das maneiras encontrada para partilhas com a comunidade litorânea as experiências, técnicas…
%PM, %07 %692 %2013 %15:%Mai

18ª Partilha Agroecológica

Devido a aceitação e interesse por parte dos frequentadores, tanto da feira quanto da Partilha Agroecológica, decidiu-se por continuar a realizar a Partilha junto à Matinfeira da Agricultura Familiar, que aconteceram no dia 24 em abril de 2013. A ideia é que se permita um maior convívio junto à comunidade externa à universidade, propiciando a criação e o fortalecimento dos laços entre os cidadãos(ãs) urbanos(as) e agricultores(as) familiares. Compreendendo a dinâmica da feira, a ideia é de nos inserirmos neste espaço de modo que possamos desenvolver, em sintonia com seus processos, atividades e discussões que abordem as temáticas relacionadas à Agroecologia, Economia Solidária, entre outros que envolvam modos de vida mais sustentáveis. Ademais, a ideia é que os participantes e todos que se sintam interessados participem para construirmos conjuntamente o Encontro. O próximo Encontro de Trocas será no dia 29 de maio de 2013 na Matinfeira. Não se esqueçam de levar seus objetos, talentos e idéias para os escambos e…
Durante os dias 03, 04 e 05 de Maio acontecerá na cidade de Matinhos a II edição da Festa da Juçara. O evento tem como objetivo Popularizar o uso do fruto da palmeira Juçara na alimentação humana, evidenciar sua importância para a biodiversidade do litoral do Paraná e seu potencial de geração de renda.

Sobre o Projeto SAL

Sistema Agroalimentar Localizado (SAL), o tempero para construção de conhecimento e empoderamento das agroindústrias familiares na zona rural do município de Paranaguá.   O litoral do Paraná é uma região com grande disparidade socioambiental, notadamente na área rural. Em Paranaguá, cidade com foco economicamente portuário, a economia se volta para grandes empresas, atrai e expande o numero de indústrias que pressiona fundiariamente e colabora para atrair trabalhadores rurais para empregos gerados neste entorno portuário. Os agricultores que conseguem permanecer e produzir na área rural são aqueles que geralmente articulam e cooperam entre si buscando fomentar as necessidades do território ou unidades produtivas. Uma comunidade bem articulada alcança melhores resultados em reivindicações com propósitos comuns. Considerando que cada território tem sua especificidade (cultural, natural e histórica), unidades produtivas fomentadas irão reproduzir de forma singular, agregando as características do saber fazer local. Viabilizar formas de gestão e capacitação individual possibilita que cada envolvido na comunidade participe das estratégias discutidas, incentivando a criação…
 No dia 27 de Março de 2013 o Encontro de Trocas aconteceu na Matinfeira para que juntos os integrantes destes movimentos pudessem celebrar o 5º ano da Feira da Agricultura Familiar de Matinhos. A feira, que é fruto da vontade dos agricultores, artesãos, consumidores, comunidade acadêmica da UFPR Litoral dentre outros atores, representa a resistência e o protagonismo de pessoas comprometidas com o desenvolvimento sustentável regional. Iniciada com o intuito de constituir um maior vínculo entre o meio rural e o meio urbano, a feira pretende dar oportunidade para a criação de relações de amizades, parcerias e cumplicidades em prol de uma agricultura e um consumo mais justo, consciente e agroecológico. Para além de um lugar destinado ao mero consumo, é um local para interações diversas, sendo a possibilidade de troca de conhecimentos entre as pessoas que dela participam o principal “produto” ou “serviço” que a Matinfeira pode promover. Ao frequentarmos e adquirirmos produtos oriundos de espaços como este, inter-relacionamo-nos…
%PM, %02 %633 %2013 %14:%Abr

16ª Partilha Agroecológica

Dia 27 de Fevereiro tivemos mais um Encontro de Trocas, com a realização da Partilha Agroecológica e a Feira de Trocas. Pela grande rotatividade e constante presença de pessoas novas no evento, houve uma breve apresentação do grupo que estava presente, que continha integrantes da Motirõ, agricultores, estudantes e apoiadores da agroecologia e modos de vida mais sustentáveis e responsáveis. Abordou-se o tema da volta das encomendas de cestas de alimentos ecológicos in-natura semanais, que havia-se dado inicio por um tempo como teste, e que pretende-se retomar; comentou-se também sobre a Festa da Jussara, que acontecerá novamente este ano. Alguns estudantes de Pontal do Paraná e do CEM – Centro de Estudos do Mar, manifestaram o interesse e possibilidade de expandir a iniciativa para Pontal do Sul ou Praia de Leste. Na Feira de Escambos contamos com a inauguração do Espaço da GrátisDão aonde pode-se doar objetos, serviços, talentos e sorrisos!
A Feira da Agricultura Familiar de Matinhos (Matinfeira) é realizada todas as quartas-feiras próximo ao mercado de peixes, das 7h às 12h. Nas barracas ao ar livre, as famílias comercializam seus produtos: frutas, verduras, legumes, pães, bolos, sucos, lanches e artesanatos, entre eles vários alimentos orgânicos e agroecológicos. Tudo que é ofertado é produzindo localmente, em um dos sete municípios da região litorânea. No dia 27 de março serão celebrados os cinco anos de existência da Matinfeira, a programação do evento contará com apresentações musicais, sorteio de cestas de produtos e o Encontro de Trocas. No Encontro acontece a Partilha Agroecológica, momento em que são distribuídos os alimentos agroecológicos encomendados pelo grupo de consumidores de Matinhos, além de serem realizadas discussões e atividades relacionadas a modos de vida mais sustentáveis. A Feira de Trocas é um espaço para escambos e intercâmbios diversos, proporcionando um momento para reflexão e discussão sobre nossa sociedade e cultura. Podem ser trocados tanto objetos materiais…
O frei Luc Vankrunkelsven da ONG belga Wervel retorna ao Brasil e estará em Matinhos com o objetivo de realizar uma conversa sobre “Agroecologia e Soberania Alimentar versus Agronegócio Exportador”. Luc vem desenvolvendo trabalhos junto a professores e estudantes da UFPR Litoral e da rede pública de ensino de alguns municípios do litoral paranaense. Os frutos destas parcerias resultaram na ilustração da capa do seu livro intitulado “Aurora no campo. Soja diferente” por estudantes do curso de Agroecologia do Setor Litoral da UFPR e também dos livros “Brasil-Europa em fragmentos” e “Legal! Otimismo – realidade – esperança” por estudantes de escolas públicas. Desde 2007 acompanha as discussões referentes a constituição da Motirõ Sociedade Cooperativa, e esta relação teve como resultado, dentre outros, o lançamento na UFPR Litoral do seu livro “Legal! Otimismo – realidade – esperança” publicado pela Editora CEFURIA. Na ocasião participou de uma Partilha Agroecológica do projeto Redes de Comercialização, onde pôde se aproximar e contribuir “a partir…
%AM, %10 %041 %2013 %00:%Mar

15ª Partilha Agroecológica

A Partilha Agroecológica de dezembro foi antecipada para o dia 19 por conta das férias acadêmicas e festas de fim de ano. Completando um ano de evento, celebrou-se o momento com a realização de um piquenique onde cada participante contribuía com algum alimento. Simultaneamente ocorreu a Feira de Trocas, configurando mais um Encontro de Trocas.